quarta-feira, fevereiro 22, 2006

O Uso Político do Futebol

Em 1982 se a dita seleção Brasileira (Quase todos jogam fora do país. Vamos chamá-la de selecinha) fosse campeã do mundo, a ditadura militar teria terminado bem depois. O clima de euforia traria uma sombra alienante que adiaria as mudanças. Seria o mesmo que aconteceu com a copa de 70. As torturas, assassinatos e arbitrariedades foram encobertas pela conquista do tricampeonato. Esse ano as eleições coincidem com a copa do mundo. Torço para o Brasil contra a selecinha. Um Hexa campeonato pode atrapalhar os rumos da política do país como a história já nos mostrou. Muitas discussões podem não ocorrer ou não serem levadas a sério por causa da festa que iria acontecer no caso de termos que engolir o nojento do Gagalo novamente.

13 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Aew Marco Aurelio... legal seu blog e esse post tambem heheh...
Mais ainda prefiro fazer sites começando do "0".. espero que eu ainda possa fazer um site para voce.. isso ai.. te +
Rafael 1a Manha

22 fevereiro, 2006  
Blogger Marco Aurélio said...

Bom te ver aqui cara. Você que é o mestre. Demorou mas me visitou. Aceito de bom grado sua ajuda.

UIm abraço

Marco Aurélio

22 fevereiro, 2006  
Blogger Carmen said...

Piadinhas. Direi umas palavras sobre piadinhas.

Existem dois tipos de piada: o primeiro é o humor refinado, inteligente, que surpreende, que elicia toda uma linha de raciocício com um toquezinho bem sutil. Esse seria próximo aos "chistes" dos quais Freud falava.

O segundo tipo é a piada chula, imediata, geralmente machista, racista, classista, preconceitusa e, o que acho pior que tudo isso, BURRA! Esse tipo de piada não visa o humor, mas desqualificação dos outros e o estabelecimento de uma assimetria de poder entre quem ri e quem é risível.

Não respeito esse tipo de piada, pois é a piada do machista; do adolescente que desqualifica seu colega gordinho, gay ou nerd; é a piada do William Boner e sua equipe, que chamam o espectador médio daquela porcaria de jornal de Homer Simpson...

Idealista que sou, sonho com uma sociedade em que as pessoas não desqualifiquem as outras, ao torná-las risíveis, mas sim riam umas com as outras celebrando a vida.

22 fevereiro, 2006  
Blogger Marco Aurélio said...

Carmen

Tomara que se alguem resolver brincar com o tema leia antes o que você disse.

22 fevereiro, 2006  
Blogger Meu Neguinho said...

Infelizmente é muito fácil manipular o povo. Por povo digo o cidadão comum, que assiste a big brother e ouve banda calipso. Há a manipulação pelo futebol, pela novela, por revistas... O tal senso crítico é que deve ser fomentado.

23 fevereiro, 2006  
Anonymous Anônimo said...

Creio eu que uma representante feminina daria jeito nessa bagunça,pois sem querer me gabar as mulheres fazem tudo com carinho e tentam sempre mostrar que estao à altura dos homens. . .isso he um fato!!!!!!!!!!!!!!!!
ABRAÇOS. . .Loredana

23 fevereiro, 2006  
Blogger Marco Aurélio said...

Dê exemplos então de algumas que vc acha que seriam boas candidatas.

23 fevereiro, 2006  
Anonymous nem sei quem fui .. said...

tipo assim acho q munheres tem copetencia sim mas num te a totalidades dos o homens (moral) mas uma candita a rita leee acho pelo o menos ... braçoaoo

23 fevereiro, 2006  
Blogger WAPTE said...

São duas coisas....
Primeiro: Acho que esse negócio de torcer para seleção é coisa de bobo. Não tem "nada a ver" com patriotismo. Afinal, encaro a seleção como um clube de futebol como outro qualquer. E um clube estrangeiro porque só tem jogador europeu. Se o Brasil vence a copa e se torna hexacampeão, estaremos dando gás para esse maldito governo Lula. Ele capitalizará os resultados a seu favor. Lembremos que a seleção não é a pátria de chuteiras.
Segundo: Não acho que colocar uma mulher na presidência vai melhorar alguma coisa. Acho melhor colocar uma mula, porque sem nenhum preconceito com os pobres animais, faria melhor que qualquer um desses candidatos que "rolam" por aí. A Marina Silva é uma traidora, e a Heloisa Helena, uma "porra louca". A Luciana Genro é outra. Nâo tem solução, é voto nulo mesmo.

23 fevereiro, 2006  
Blogger ze maria said...

sinceramente acho um ponto de vista interessante, mas um bocado exagerado, é óbvio que o futebol tem um certo peso político, mas não ao ponto de comprometer o futuro político de um país...se bem que em 82 eu ainda não existia hehe

26 junho, 2006  
Blogger Catenaccio said...

Olá Marco Aurélio, do outro lado do Atlântico.
Obrigado pelas visitas ao Catenaccio e aqui estou, observando o seu belo blog. Parabéns.
Quanto ao conteúdo do post, sem dúvida que futebol e política andam, muitas vezes, de braço dado. Basta relembrar o aproveitamento político em Espanha, com o General Franco e a ligação ao real Madrid, como forma de promover, junto das massas, a sua ideologia. O futbol consegue ser um veículo de informação e promoção de mensagens políticas.
Por outro lado, costuma-se dizer que o futebol é o ópio do povo logo é muito agradável, do ponto de vista dos líderes políticos, usar o futebol para fazer esquecer problemas mais graves. Enquanto o povo anda entretido com o futebol, esquece questões sociais e os governantes podem actuar a seu bel-prazer.
Um abraço e continuação de boa sorte para o seu blog.

26 junho, 2006  
Blogger S.L.B. said...

Caro Marco Aurélio: também espero que não sejam campeões, porque isso equivaleria a nos eliminarem nas meias-finais (se ambos chegarmos lá) :-) Quanto à promiscuidade entre política e futebol, ela é infelizmente verdade. Abraço.

26 junho, 2006  
Blogger Osvaldo said...

Acho que a generalização é sempre um erro. Em alguns momentos da História o futebol foi usado para manipular a população como fez Médici na copa de 1970. Porém, isso não é praxe. O que diria então da seleção polonesa na copa de 1982 que levava a bandeira do movimento sindical Solidariedade para os seus estádios? As campanhas do Brasil na copa influenciaram alguma vez as eleições presidenciais?

06 setembro, 2008  

Postar um comentário

<< Home