sábado, fevereiro 11, 2006

Os 250 anos de Mozart


O ano internacional da física não recebeu aqui no Brasil, principalmente nas escolas, a consideração que merecia. Os 250 anos de Mozart terão o mesmo fim ? Já que Einstein não foi lembrado como merecia em 2005, não deixemos acontecer o mesmo com o compositor da sinfonia Júpiter que tanto regi com uma caneta quando criança sonhando um dia ser maestro.

8 Comments:

Blogger Carmen said...

Sabe, Marco Aurélio, eu me pergunto se uma comemoração do ano internacional da física teria alguma adesão dos alunos. Não sou professora, mas vejo, principalmente pela escrita dos adolescentes a valorização da infantilidade, do desprezo absoluto pelas regras de ortografia, pela boa produção intelectual e artística, uma coisa que não consigo explicar.

Já viu como eles escrevem no Orkut, MSN e etc? "oh fessor, os exercícios q vc passou ta mt dificil viu...tem como faze nao...hehe tchauzinnn" (verídico, extraído do Orkut de um amigo professor). Outra pérola: "oi mosssoooo.. da odn vc eh???" (Orkut de conhecido)

Seria isso uma tentativa de se infantilizar para ser amado? Já que a gente sabe que os adolescentes sofrem acreditando que os pais não os amam mais porque não são mais crianças? Ou seria burrice mesmo?

Só sei que estou achando isso tudo uma pobreza muito grande.

12 fevereiro, 2006  
Blogger Marco Aurélio said...

Einstein e Mozart exercem um fascínio sobre os adolescentes que julgo poder ser aproveitado. Os alunos geralmente não aderem por falta de criatividade e seriedade das propostas dos professores. Quanto á maneira que estão escrevendo na internet, concordo com você, apesar de alguns teóricos de linguística discordarem. Acreditam que a comunicação tem que ser dinâmica e não deve seguir tantas regras assim. Mas valeu a dica. Vou colocar o assunto em questão.

Obrigado

Marco Aurélio.

12 fevereiro, 2006  
Anonymous Anônimo said...

fessô

leva esse som p/gente curtir depois.

valeu

dentinho/253.

12 fevereiro, 2006  
Blogger Marco Aurélio said...

Deu para ver que fui eu que mandei o recado. Já me pediram para levar músicas boas para sala. Tinha me esquecido. vou levar prometo.

Marco Aurélio

12 fevereiro, 2006  
Blogger Carmen said...

Dinamismo da linguagem é uma coisa bem diferente dessa distorção toda... mas bou pegar mais leve porque já entendi que aqui também é espaço dos alunos.

12 fevereiro, 2006  
Blogger Marco Aurélio said...

Não precisa pegar mais leve, pelo contrário.Precisamos de pessoas que tenham espírito critico e capacidade de se expressar como você. Já notei que "vc", Bincadeirinha, não engole qualquer coisa.O espaço aqui é dos meus amigos.Já foi modificado. Não estava democrático.
Chega de " velho" "Tá Osso" e " demorô" .Acho essas ainda piores do que as economias que eles inventam na Internet.

Volte sempre.

Marco Aurélio.

12 fevereiro, 2006  
Blogger Almir Amarante said...

Até que Mozart continua sendo bem lembrado no mundo todo, basta conferir a programação das grandes orquestras. Devemos agradecer muito ao Milos Forman que polularizou sua história nos anos 80. Sem dúvida, foi um gênio pouco reconhecido em sua época, mas nos dias de hoje, ele é uma dos mais conhecidos compositores da história da música. Tanto que qualquer um dos participantes deste blog pode cantarolar ou assobiar o 1º movimento de sua "Pequena Serenata Noturna". Fico realmente triste quando penso que vários outros gênios foram realmente extintos. Um exemplo:
Não muito longe daqui(São Caetano do Sul), para ser mais direto, em Belo Horizonte, tivemos um compositor que apesar de não ser um Belorizontino nato, resolveu passar mais da metade de sua vida nesta cidade.Seu nome era Arthur Bosmans. Era Belga e veio para o Brasil na década de 30. Chegou ao Rio de Janeiro, foi regente convidado da Orquestra Sinfônica Brasileira e depois transferiu-se para Belo Horizonte. Escreveu verdadeiras pérolas. Quem teve a oportunidade de ouvir as "Jakianas", sabe do que estou falando. Tive a oportunidade de tocar esta obra e outras há 18 anos, quando era bolsista da orquestra da UFMG. Apesar de minha boa memória musical, não consigo cantarolar uma nota sequer desta obra. A única coisa que me lembro é que aquela oportunidade há 18 anos foi única, pois me arrepiei do 1º compasso ao último. Mas não posso cobrar tanto de minha memória muisical, afinal de contas, nunca fui um Mozart que ouviu uma fuga a 8 vozes e pôde trancrevê-la quando chegou em casa, ouvindo 1 única vêz. Mesmo que eu tivesse tocado 10 vêzes sua obra, seria quase impossível competir com a "Piririm, piririm, piririm. Alguém ligou pra mim!!!" que você nem precisa forçar a memória para lembrar. Ao contrário, vc fica tentando tirar da cabeça de tanto escuta nas rádios.

12 fevereiro, 2006  
Anonymous Anônimo said...

Fala marcareca =D uahUAha essa foi boa...blog bacana cara...bom q nao pode perder contato abraço marcão ahehehehe "Daniel Vulgo Mingáuuuu" uahUAhAUhAuHA =0 By.Marcareca

22 fevereiro, 2006  

Postar um comentário

<< Home